segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

Eros e Psiquê (Fernando Pessoa)


Já estava passando da hora de renovar minha visita aqui no blog. Estou como um pai desnaturado que abandono o filho ao relento.Que atitude horrivel.
Bem, mas aproveitando a folga do carnaval, e só prá isso essa "festa sem noção" serve, vou postar um belo texto de um grande autor, Fernando Pessoa, à proposito um dos meus favoritos.
Espero que apreciem...Até uma proxima vez.Espero não demorar muito.
Conta a lenda que dormia
Uma princesa encantada
A quem só despertaria
Um infante, que viria
De além do muro da estrada.
Ele tinha que, tentado,
Vencer o mal e o bem,
Antes que, já libertado,
Deixasse o caminho errado
Por o que à Princesa vem.

A princesa adormecida,
Se espera, dormindo espera.
Sonha em morte a sua vida,
E orna-lhe a fronte esquecida,
Verde, uma grinalda de hera.
Longe o Infante, esforçado,
Sem saber que intuito tem,
Rompe o caminho fadado.

Ele dela é ignorado.
Ela pr´a ele é ninguém.
Mas cada um cumpre o Destino
– Ela dormindo encantada,
Ele buscando-a sem tino
Pelo processo divino
Que faz existir a estrada.
E, se bem que seja obscuro
Tudo pela estrada afora,
E falso, ele vem seguro,
E, vencendo estrada e muro,
Chega onde em sono ela mora.
E, inda tonto do que houvera,
A cabeça em maresia,
Ergue a mão, encontra a hera,
E vê que ele mesmo era
A Princesa que dormia.

2 comentários:

bat_trash disse...

Fernando Pessoa foi um homem notável de mente brilhante, que se considerava um tradutor por profissão, porque "escritor" e "poeta" constituiriam vocações e não profissões.

Fernando Pessoa era um Cristão gnóstico e portanto inteiramente oposto a todas as Igrejas organizadas, e sobretudo à Igreja de Roma. Fiel à Tradição Secreta do Cristianismo, que tem íntimas relações com a Tradição Secreta em Israel (a Santa Kabbalah) e com a essência oculta da maçonaria. Chegou a ser iniciado, por comunicação direta de Mestre a Discípulo, nos três graus menores da (aparentemente extinta) Ordem Templária de Portugal.
Um belíssimo poema filosófico de Fernando Pessoa, aliás, desmistificando o próprio mito.

Eros busca Hera, porém, a Psique era o caminho.

O que é Psique em grego?
Psique é definido como sendo 'pensamento ou espírito'.

Portanto, esta memória do espírito é quem estava adormecida.
E Fernando Pessoa a chama de PRINCESA.

Quando consegue resgatar a SUA memória ou pensamento como Espírito, percebe então que ELE era a própria PRINCESA, ou seja, somos o que pensamos? Bem, ele assim considerou, ao recuperar a Memória Adormecida (Princesa).

Ótimo post!

Beijos.

André Kaworu disse...

Olá, bo antes tarde do que nunca, não é? também me sinto um pai desnaturado quando deixo meu blog sem atualizações, quanto ao poema, já o coinhecia a muito tempo e fiquei anos tentando entender seu final, sinceramente acho que entendi quando me tornei adolescente. abraços e boa semana